Hiller encerra JOBMIX com muito branding

Marcas possuem força em seu DNA, e precisam ser localizadas e exploradas

hiller-joceline-olivato

Hiller sugere pesquisas intensas para se alcançar a essência da marca. Foto: Joceline Olivato

Alberto Maciel, Daiani Pinheiro e Thatiane Rezende

Marcos Hiller, que passou por várias empresas, falou nesta terça-feira (4/10/16), para o o público que lotou o Auditório/Estúdio da Faat-Faculdades Atibaia para ver o encerramento do 7º JobMix. Nesta ocasião elucidou a trajetória que o DNA das marcas trazem e que precisam incansavelmente ser localizadas, entendidas e utilizadas para que os produtos possam estender sua existência no mercado.

Nesta ocasião, ele explicou passo a passo a  construção do posicionamento de uma marca e apresentou os dois métodos mais conhecidos, o tradicional da Coca-Cola e o outro que ele prefere denominar de “jeito Hiller”. O primeiro consiste em ter um público alvo, mercado e diferencial competitivo; já o segundo é dividido em cinco partes: Escolher um caminho a seguir; Mergulhar através de pesquisas com perguntas, respostas e observação; Afinar construindo um slogan para a marca; Consistência ao trabalhar em cima daquele que foi estabelecido usando as mídias digitais, dando dicas para seu público; bem como a Paixão, que é a parte poética que faz com que o consumidor veja melhor o produto.

Hiller falou também como a marca impõe pensamentos e estereótipos em seus clientes e naqueles que as veem. Ressaltou, ainda, a importância que há em saber contar uma história, para que o espectador fique “preso” naquela campanha, e com isso absorva apropriadamente a propaganda e dê andamento ao consumo mais prazeroso.

O palestrante é formado em marketing pela ESPM, com especializações na FAAP e Anhembi Morumbi. Atualmente trabalha em sua empresa de consultoria “Hiller- training & consulting” e está trabalhando em seu mais novo projeto “Walk on the street- Abu Dhabi”.  Em sua conclusão, respondeu a várias perguntas, sempre destacando o foco que as empresas mais expressivas na atualidade adotam para manterem-se no topo.


 

Palacios abre 7º JobMix com Storytelling

Histórias reais do autor mesclam-se à ficção

palacios-e-o-storytelling-no-jobmix-2016-ft-julio-cesar-jacob

Palacios recorreu a personagens expressivos da mídia para mostrar a força da narrativa. Foto: Julio Cesar Jacob

Henrique Cisman

Em meio a histórias de conto de fadas, menção a personagens conhecidos da midia televisiva, cinematográfica e constantes nas embalagens de produtos, o palestrante que abriu o 7ºJobmix, Fernando Palacios, prendeu a atenção de todos por mais de duas horas de palestra. Um roteiro que misturou-se ao de sua vida pessoal serviu para mostrar a força que possui o recurso “storytelling”, ferramenta que veio para inovar vários setores, mas especialmente o da comunicação.

Este assunto é o mote de seu recente livro “Storytelling:construção e fortalecimento da imagem da marca”, primeiro a ser publicado no Brasil e com 1ª edição já esgotada. Nesta ocasião, questionou aos presentes sobre o que entendiam sobre o assunto, se já haviam ouvido falar no termo e qual a opinião sobre o que seria isso e para quê serviria.

Após respostas imprecisas dos alunos, Palacios iniciou o conto da história “Mil e Uma Noites”, um caso clássico de Storytelling, pois se trata de uma narrativa milenar que sobrevive até os dias atuais, passando de geração em geração. Só então Fernando Palacios apresentou-se, novamente utilizando métodos divertidos, como, por exemplo, slides que ilustravam cada uma das etapas expostas.

Neto do primeiro produtor de seriado brasileiro “Vigilante Rodoviário”, Palacios afirma que escreveu seu primeiro livro aos 8 anos, mas foi desencorajado a seguir carreira pela família. Formado em Relações Públicas, trabalhou para grandes empresas em agências do setor, mas em determinado momento da carreira decidiu inovar: foi aí que começou a pesquisar sobre Storytelling e se “encontrou” como profissional.

Atualmente, Fernando Palacios viaja pelo mundo para descobrir a oitava maravilha da Terra, projeto que, de acordo com ele, levará “uns 25 anos para ter o livro publicado”, brincou. O escritor também faz consultoria para empresários e companhias com o objetivo de melhorar a imagem das marcas.

A palestra reservou especialmente um espaço para questões formuladas pelos estudantes, aliadas a entrega de brindes para os alunos cujas indagações fossem ao seu ver mais instigantes.

Neste primeiro dia do evento estavam presentes o diretor acadêmico da FAAT, professor Gilvan Pereira, que ao lado dos coordenadores Osni Dias (Jornalismo), Leni Pontinha (Relações Públicas) e Tania Ferreira (Publicidade & Propaganda), recepcionaram o palestrante e articularam as questões da plateia.